Translate

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Recolhendo cacos

 Prossegui na estrada, com os retratos da minha alegria e tristeza;
 Não vi você chegar na confusão dos seus sentimentos,
 Acreditei na sua palavra e na sua imensidão de sentimentos,
 Pra ver você quebrar seu juramento e se perder em si mesmo.
 Por que sofrer o alento de um momento?
 Por que curar uma dor que não sara?
 Por que sofrer uma vitória perdida?
 E então no vazio da minha mente, prossigo nessa estrada,
 Juntando meus cacos quebrados e lançando-os na brasa.
 Brasa sagrada, chama do espírito, que junta os cacos numa única lente.
 Que aumenta os limites da mente, dando olhos pra entender o que não se mente.
 E que não mente pra mente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.