Translate

domingo, 24 de junho de 2012

A Deusa da Floresta


Pensava a toda hora, olhava o relógio impaciente, indagando se tal trabalho terminaria logo. Tínhamos saído cedo rumo a Sena Madureira, devíamos trabalhar duro para garantir que os telefones da cidade funcionariam rápído e as ampliações que faríamos na central telefônica, seriam bem aceitas e normais. Chico, um colega meu, também estava cansado e viajou comigo de Rio Branco até aqui, sentia que ele estava louco para terminar os testes para ficar livre e vagabundar. Era um grande paquerador e já tinha intenções de conquistar uma garota...
 Confesso que estava desiludido, apesar da excelente companhia do Chico, não tinha ânimo de ficar com garota alguma, pensava em trabalhar e terminar logo aquele serviço complicado, pois sentia um vazio no meu coração que estava me torturando e compelia a buscar o amor em todas as formas, mas nada acontecia. Trabalhava muito para disfarçar o medo e a desilusão, aceitando ir no interior, em qualquer lugar que me ocupasse e não fizesse pensar nisso.
 Engano meu, cada vez que via um belo corpo moreno de uma garota, sonhava nos prazeres sem limites e na totalidade de uma vida realizada através de um relacionamento que me fizesse sentir completo, assim o conflito acontecia dentro de mim para saber se acontecia ou não a grande oportunidade e se eu soltaria a frustração do passado com coragem de olhar o futuro. Chico chega e em seguida fala:
 - E aí Ará? Meu irmão, tu estás muito jururu, pra baixo, se solta, vamos depois tomar um chopinho na pracinha e apreciar aqueles "filés", certo?
 Chico dizia tudo com um bom humor irresistível, que contagiava e acabei aceitando, indo com ele até o local referido. Chegamos lá no começo da noite e por se tratar de um dia de sexta-feira, era natural que estava fervendo de gente e conforme notei, não demorou muito para que várias garotas interessantes surgissem, meu colega não perdeu tempo e logo acenou para um grupo delas, rapidamente elas vieram pra nossa mesa e começaram a papear, muito simpáticas.
 - Linda você, que olhos mágicos, né? - Dizia o Chico para a mais alta garota do grupo, que tinha olhos verdes, cabelos cacheados pretos e gostava muito do elogio do meu amigo.
 - Seu amigo é tão namorador assim? - Perguntava ela com um sorriso, entrando no clima do momento.
 - Não sei, ele é bastante sem vergonha, mas é boa gente! - Respondi com sorriso e bom humor, observando a cara de pau do Chico.
 Em seguida, rolou um clima de descontração que proporcionou vários assuntos e meu amigo conseguiu impressionar as garotas, principalmente a de olhos verdes, enquanto isso, me fechava sutilmente, até o momento que uma das garotas me olhou atentamente e tocou suavemente em minhas mãos:
 - Oi tudo bem? Não está viajando em Marte não, né? - Perguntou sorrindo e me olhando fixamente.
 - Apenas divagando onde o coração não alcança... - Respondi olhando pra ela e notando uma energia muito diferente.
 A garota tinha olhos castanhos, pele morena jambo, cabelos cacheados longos e rosto angelical, sendo impossível ficar fechado por muito tempo perante tal beleza.
 - Busco aliviar a dor de uma perda perante uma difícil escolha, quero uma nova oportunidade, alguém de forma e substância. - Declarei olhando-a com atenção, sorrindo, ela disse:
 - Você quer mesmo ficar sofrendo pelo fato de deixar um amor em São Paulo? Quer mesmo sofrer essa tortura de culpa, quando foi necessário agir assim? Liberte sua mente e sua alma! Se você olhar pro seu coração irá conseguir! Temos uma tradição por aqui, sempre vamos para o rio e pedimos a Yara que conceda um desejo, funciona se acreditar.
 - Isto irá funcionar mesmo? - Perguntei bestificado com tudo que ela disse. Como ela sabia daquilo, como me conhecia daquele jeito? Fiquei curioso e espantado.
 - Podemos ir ao rio juntos e fazermos o pedido, agora, você tem que acreditar para que isso aconteça, certo?
 - Se fizer contigo, verá que acredito. Vamos ah..?
 - Dayara e você?
 - Arabutam.
 - Um nome muito especial, significa fogo que vem do centro da terra, algo forte e poderoso capaz de mudar e transformar, você acredita nisso?
 - Acredito e talvez você me ensine mais, quem sabe, né? - Respondi sorrindo, com olhar de mistério e novamente impressionado com ela e com o conhecimento que tinha, era algo inusitado e raro de ver.
 Nessas alturas, o Chico tinha ficado completamente envolvido com as outras garotas e já estava arrastando asas para a garota alta de olhos verdes, parecia que a noite ia prometer para ele, então Dayara me puxou pela mão para acompanhá-la rumo ao rio, Chico piscou pra mim num gesto de aprovação e assim fui com ela.
 Chegando no rio, Dayara me olhava com muita ternura, sentia que me conhecia a muito tempo e lia praticamente o que se passava na minha cabeça, então declarou:
 - Arabutam não há mais necessidade de ficar sofrendo, você é diferente e nobre o bastante para viver algo novo e completo, acredite, você merece! - Dizia com uma convicção interior que estimulava muito.
 - Como se pede a Yara? - Indaguei ansioso para fazer o costume local e imaginar que aquela mulher talvez seria o toque do destino em minha vida.
 - Me dê sua mão e com seu coração diga comigo as palavras que direi, assim estará completo e feito.
 - Está bem. - Respondi admirando seu corpo escultural e atraente.

 - Oh Yara, conceda a este que aqui está o poder de se libertar e viver um novo caminho, onde a alquimia do destino aja e una carne e espírito, desejo e coração, fazendo dois serem um só!
 - Repetia cada palavra dela e sentia uma arrebatamento, podia ver coisas do passado, presente e futuro, senti um tesão indescritível, de forma que desejava ela mais do que tudo. Bastou apenas olhar pra ela e me entreguei a paixão:
 - Eu quero você, quero entrar dentro de ti, sentir o que sente, ser o que você é, querer o que quer e elevar essa energia cósmica até o limite do espaço-tempo, pois mexeu comigo e agora viverei esse mistério! Me ame agora!
 - Claro que te quero, esperei muito tempo por você! - Dizia com um brilho misterioso no olhar que parecia séculos e uma doçura carinhosa sem noção... A noite estava com lua cheia e perfeitamente iluminada de forma que era possível ver o rio e a paisagem onde estávamos, assim como o contorno do corpo perfeito dela e seu delicioso perfume.
 Nos entregamos ao desejo e explorávamos o corpo um do outro, me sentia queimar por dentro e a paixão se tornava avassaladora, tinha certeza que ela era o diferencial.
 Então foi o sexo tocando o sexo e entrei dentro dela, dois se tornaram um só atingindo o profundo êxtase cósmico, fazendo espaço-tempo desaparecer, me libertando e purificando na alma. Um pouco atordoado ouvi as palavras dela:
 - Yara tem muitas filhas, algumas com o poder de realizar um homem especial como você, busque sua felicidade sem medo, pois irá encontrá-la dentro de você, no seu coração. Confie em sua intuição ela lhe mostrará o caminho e estará contigo, se quiser lembrar de mim, olhe o rio.
 - Quero você como diferencial na minha vida minha deusa! Nada é por acaso...
 - Estarei sempre com você, te acompanho a um longo tempo e é hora de você usar seu poder, seu conhecimento e mudar. Você viverá um mistério, nem sempre será o que parece, mas será feliz, confie em seu coração.
 Ouvi tudo extasiado e adormeci profundamente, tive a impressão de alguém mergulhando no rio e ao acordar percebi que estava no hotel e todo aquele cenário desapareceu. Fiquei atônito sem entender como tinha parado ali, então fui procurar o Chico:
 - Chico, acorda, preciso falar com você!
 - Mas rapaz! São seis horas da manhã e tu tá me atormentando Ará? Vá pra bacha da égua, vá!
 - Não Chico, é importante, juro, quero saber das garotas da pracinha, e a garota alta de olhos verdes que ficou contigo, pois ela acompanhava a Dayara, diz aí!
 - Tu tá doido é? A gente só tomou uns chopinhos e só, não teve nada não! Te levei pro hotel e te coloquei na cama, pois você desmaiou... Deve ter sonhado tudo isso...
 -  Mas como, eu vi tudo isso e senti e ...
 - Tá bom, você é que tá encanado com tudo isso hein? Coloca coisas na cabeça e fica nessa piração... Hoje terminaremos o serviço e voltaremos pra Rio Branco, tá bom?
 - Tudo bem, talvez esteja cansado mesmo - Respondi aceitando num tom desanimado, que se recusava em acreditar que tudo aquilo foi sonho.
 Á tarde terminamos o serviço como planejado, todos os testes foram normais e as ampliações da central telefônica foram aprovadas, seguimos eu e o Chico pra Rio Branco e ao chegar ele me deixou em casa e pediu pra descansar.
 - Vamos lá campeão, segunda é dia de batalha, curte bem o fim de semana, mas nada de birita, hein? - Disse ele em tom de piada, a qual fiz um gesto de tudo certo e ele partiu.
 Ao me recolher na cama, não deixava de pensar nela e se aquilo tudo foi mesmo sonho... Não queria acreditar nisso...
 No domingo tinha o costume de curtir um pagodinho num barzinho perto de casa, me aprontei e fui sair. Quando cheguei lá a intuição disparou e sentia uma presença diferente, então vi com surpresa uma moça idêntica a Dayara, quase perdi a fala... Ela me olhou fixamente e então me aproximei:
 - Meu nome é Arabutam e o seu?
 - Yara - Respondeu sorridente.
 - Você é a deusa que aparece e some repentinamente?
 - Olhe pra dentro de você e saberá a resposta...
 Humm, depois desta não tinha dúvida que o que aconteceu era mais que sonho, um mistério, mas eu o viveria de forma a acreditar no infinito. E a noite apenas começava...
 Dedico esse conto ao saudoso amigo Chico Maia, profissional excelente, amigo maravilhoso e grande pessoa, fique em paz onde estiver! Também dedico ao professor Moacyr, incrível personalidade de Sena Madureira e as yaras Socorro, Luciana, Letícia, Rafaela e Ingrete, mulheres maravilhosas que me ensinaram a ser um homem forte, flexível e sensível, amo todas vocês! Um abraço especial a todos os acrianos e povos da amazônia! E a deusa e as deusas que sempre estão em meu caminho!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.