Translate

domingo, 4 de abril de 2010

Lema do Karatê, código do bushido e vida moderna


No Japão do século XVI, em plena sociedade feudal, onde a lei era regida pelos shoguns, cogitou-se em adotar um código de conduta que se aproximasse o máximo possível de um ideal de aperfeiçoamento pessoal para desempenho grupal e uma sociedade melhor baseado nas tradições xintoístas, onde os deuses trabalhavam para um bem comum.
O código do guerreiro, como o código do cidadão trazem pontos comuns em seus princípios e o karatê incorporou isso na prática. Karatê Do é o caminho da mão vazia e é mais que uma prática marcial, é uma prática de filosofia de vida, onde se procura fazer o equivalente para cada pessoa e esse equivalente é feito da melhor forma possível, objetivando evoluir de grau em grau.
Essa forma de evolução gradual, representada pelas faixas, acontece sempre de acordo com cada pessoa, no seu tempo. Comparo esse sistema com nossos modelos de educação que impõe a mesma necessidade a todos, sendo que as pessoas são diferentes na sua essência.
Quando iniciei meus estudos do Karatê Do com o mestre Carlos Kyokan em Campinas-SP, o que aprendi foi que Karatê é arte não limitada ao esporte ou atividade marcial e sim algo pra ser levado pra sociedade e permitir melhores cidadãos todos os dias. Pautamos isso nesses pricípios:
1. Esforçar-se para a formação do caráter.
2. Fidelidade para com o verdadeiro caminho da razão.
3. Criar o intuito de esforço.
4. Respeito acima de tudo.
5. Conter o espírito de agressão.
Observem o impacto desses princípios em nossa sociedade e comparamos, a cultura ocidental, como a brasileira e a cultura oriental, como a japonesa, onde o cidadão tem mais respeito e consciência participativa. Vejo nisso claramente o porque do sucesso daquele país, como também em outros orientais, como a China, tudo está numa palavra chamada comprometimento.
Comentando sobre os princípios, sem esforço não se chega a lugar nenhum, nada cai de graça do céu, sempre há um preço pra se atingir uma meta, com isso tem que haver personalidade, caráter ou autenticidade de fazer algo que é você, onde a razão está em fazer algo ecológico, natural e que respeite o ciclo da vida.
O respeito está em compreender que a vida pode ser um imenso vazio ou um complemento de coisas únicas, portanto existem verdades e cada uma pode funcionar pra cada pessoa de modo diferente, mas os resultados serão os mesmos...
Conter o espírito da agressão está numa das coisas mais difíceis de se executar, pois nem sempre há autocontrole a toda prova, mas acredito que deve existir um meio termo ponderável, onde a diferença está em aceitar o que não se pode mudar e seguir o ciclo natural da vida, levando causa-efeito em consideração sempre.
Os arcanos do tarot que fazem diferença aqui são o Carro, a Força e a Roda da Fortuna, o primeiro em planejar e compreender os princípios e direcioná-los, o segundo em agir levando em conta a força cósmica interior e o terceiro em harmonizar os ciclos, de modo que sua mente se liberte deles...
Aos meus amigos, essa boa reflexão! Oss!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.